PROJETOS em andamento

RECIFES COSTEIROs - Iniciativa de Manejo Integrado para o Sistema Recifal Costeiro entre Tamandaré (PE) e Paripueira (AL) (desde 1996)

  • @institutos_recifes_costeiros

Acompanhe no Instagram: @instituto_recifes_costeiros

O Projeto Recifes Costeiros foi criado para fornecer a base científica e assistência técnica na elaboração do plano de manejo da Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais, e assim promover a conservação da biodiversidade costeira e marinha e a sustentabilidade das atividades econômicas que dependem dos recursos costeiros desta área. Consequentemente, objetivou melhorar a condição de vida das populações locais. As várias atividades interdisciplinares necessárias e previstas na elaboração do Projeto incluíam levantamentos biofísicos e da pesca e experimentos de manejo com o objetivo de subsidiar a Elaboração do Plano de Manejo da Área Marinha Protegida. Em 2006, os resultados foram entregues ao Ibama e, em 2012, o Plano de manejo da APA foi publicado no D.O. O projeto teve continuidade com alguns componentes sendo incorporados pelos órgãos públicos, enquanto as atividades de monitoramento, pesquisa e manutenção da reserva marinha de Tamandaré continuam atraves de esforço conjunto da UFPE/CEPENE/IRCOS/ICMBio e financiamento da SOS Mata Atlântica.

REef check - monitoramento dos recifes de coral do brasil (desde 2002)

  • @reefcheckbrasil

Acompanhe no Instagram: @reefcheckbrasil

Este projeto visa a implementação de um programa nacional de monitoramento para os recifes de coral no Brasil, assim como articular e envolver as unidades de conservação existentes nesses ambientes no estabelecimento de um programa nacional de monitoramento. A metodologia selecionada pelo PROBIO para o programa piloto de monitoramento foi a do Reef Check, devido a sua característica voluntária e participativa. A GCRMN recomenda que os dados provenientes do monitoramento sejam aplicáveis a estratégias de manejo e que a comunidade seja envolvida no processo, uma vez que o ato de coletar informações e observar tendências é uma poderosa ferramenta na divulgação da importância do manejo e conservação dos ecossistemas dos quais dependemos.

CIÊNCIAS DO MAR II (desde 2015)

Esse projeto se baseia na integração de métodos, no sentido de investigar a dinâmica de processos oceanográficos na zona de quebra da plataforma continental oeste do Rio Grande do Norte, sul de Pernambuco e norte de Alagoas, sua relação com o ciclo de vida da biota marinha e a geomorfologia do assoalho. Para tanto, são feitos levantamentos hidrológicos, hidroacústicos e videográficos, além de coleta de amostras geológicas, biológicas e de dados de sensoriamento remoto, nas imediações da quebra da plataforma, canais e ravinas, ao longo de 03 anos. O objetivo é gerar um conjunto de dados multidisciplinar e de pequena escala espacial, consolidar um protocolo replicável em escala regional, gerar oportunidade de formação de pessoal com experiência no mar, e contribuir para o fomento de iniciativas para o planejamento espacial marinho, promoção da pesca sustentável, da conservação biológica e de previsões de variações climáticas

pOPULATION AND ECOSYSTEM CONNECTIVITY ON CORAL REEF FISHES (desde 2015)

Realizado em parceria com o Professor Dr. Jay Rooker da Texas A&M University, esse projeto dá continuidade à iniciativa que começou no workshop organizado pela UFPE, USP e TAMU em março de 2012. O projeto envolve intercâmbio de estudantes entre as instituições, para desenvolver pesquisas na área de conectividade de fontes e sumidouros em habitats e através da plataforma, de forma a gerar dados para investigar as ligações entre populações e ecossistemas marinhos no Nordeste do Brasil. 

PELD TAMS -  Dinâmica espacial e temporal dos ecossistemas marinhos: conectividade, resiliência e uso sustentável no sul de Pernambuco (desde 2017)

  • @peldtams

Acompanhe no Instagram: @peldtams

O sítio PELD-Tamandaré, localizado no litoral sul de Pernambuco, compreende uma área total de 216.574,06 hectares e se estende da costa até o talude continental. Este macro-ecossistema suporta processos ecológicos complexos, submetidos a uso intenso, numa área reconhecida como prioritária para conservação. A presença de unidades de conservação reflete esta característica, tanto pela necessidade de proteção a estes ambientes, quanto pela ocupação e dependência humana, com duas unidades de conservação de uso sustentável (APAs) e uma de Proteção Integral (Parque), organizadas em mosaico. Esse projeto objetiva a compreensão dos padrões e processos estruturantes da paisagem do sítio PELD-TAMS, suas variações temporais e espaciais, conectividade, e fatores chave na resiliência face a mudanças ambientais, de forma a subsidiar a adoção de estratégias de manejo e conservação necessárias para a manutenção da biodiversidade e do uso sustentável. 

repensa pesca - Avaliação ecossistêmica dos recursos pesqueiros demersais e pelágicos das costas norte e nordeste: subsídios para um ordenamento pesqueiro sustentável (desde 2018)

O Repensa Pesca tem como objetivo avaliar as tendências de variações espaço-temporais nas capturas e na estrutura das populações exploradas nas costas Norte e Nordeste brasileiras. Através da análise de dados de pesca, da coleta de amostras biológicas e da análise de dados oceanográficos, serão elaborados diagnósticos e modelos conceituais sobre as inter-relações entre a pesca, os parâmetros ambientais e os processos biogeofísicos de média e larga escala, que serão oferecidos aos órgãos governamentais, contribuindo para a gestão dos recursos pesqueiros demersais e pelágicos das regiões norte e nordeste brasileiras. A partir da compreensão da complexidade da cadeia de serviços e de comercialização das espécies, espera-se poder apontar mecanismos que aumentem o valor agregado, suavizando as diferenças no valor do pescado ao longo da cadeia e apontando os diferentes segmentos a serem envolvidos em atitudes que garantam a sustentabilidade do produto e sua valorização, sem necessariamente aumentar o esforço de pesca. Finalmente uma analise estratégica de interações entre tecnologia pesqueira e a biodiversidade marinha será conduzida, com vistas ao desenvolvimento/aprimoramento de aparelhos de pesca mais seletivos. Desta forma, esperamos poder efetivamente contribuir para o desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação da pesca marinha no Brasil, a fim de subsidiar o ordenamento pesqueiro dos recursos demersais da costa Norte e Nordeste.

Pesca para sempre no complexo estuarino-recifal do Rio Formoso/Carneiros: integridade e conectividade ecossistêmica como estratégia de conservação (desde 2018)

O objetivo desse projeto é dar continuidade às ações de monitoramento, pesquisa e conservação no complexo estuarino do rio Formoso, com foco na tainha, através de uma abordagem espaço-temporal integrada, envolvendo atores locais nas ações através da valorização do conhecimento ecológico local e práticas tradicionais. 

MEROS DO BRASIL: Estratégia para a conservação de ambientes costeiros e marinhos do Brasil (2007-2008; 2012-2013; 2018-ATUAL)

  • @merosdobrasil

Acompanhe no Instagram: @merosdobrasil

Em 2002, tendo em vista o cenário de declínio dos meros na costa brasileira, um grupo de pesquisadores em Santa Catarina criou o Projeto Meros do Brasil, com o objetivo de viabilizar recursos para a pesquisa e conservação de meros. Em 2007 e 2012, o Projeto Meros do Brasil recebeu o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Ambiental, através de edital público. Esse patrocínio alavancou e vem ampliando as pesquisas não somente sobre a conservação do mero, mas também dos ambientes marinho-costeiros associados, ao longo da costa brasileira. Atualmente o Projeto Meros do Brasil desenvolve ações de pesquisa e conservação através do estudo da biologia pesqueira, genética, piscicultura marinha, educação ambiental, Educomunicação e mergulho científico em sete estados litorâneos do país. O projeto propõe unificar os desafios de pesquisa e conservação de uma espécie que é distribuída amplamente em quase todo o litoral brasileiro. No Ponto Focal Pernambuco, a Coordenadora é a professora Beatrice Padovani Ferreira, da UFPE.